Arquitetura moderna é uma designação para o conjunto de movimentos e escolas arquitetônicas que fazem a caracterização de uma arquitetura integrada durante grande parte do século XX, inserida no contexto artístico e cultural do modernismo. O termo modernismo é, no entanto, uma referência genérica que não traduz diferenças diferenças entre arquitetos de uma mesma época. Não há um ideário moderno único. Suas características podem ser encontradas em origens diversas como a Bauhaus na Alemanha, em Le Corbusier na França, em Frank Lloyd Wright nos Estados Unidos ou nos construtivistas russos, alguns ligados à escola Vuthemas, entre muitos outros. Estas fontes tão diversas comuns nos CIAM (Congresso Internacional de Arquitetura Moderna) um instrumento de convergência,

Os arquitetos constituídos como mestres do movimento moderno são Le Corbusier na França e Walter Gropius e Ludwig Mies van der Rohe na Alemanha. Além deles, Arne Jacobsen, Kenzō Tange, Jacob Bakema, Constantin Melnikov, Erich Mendelsohn, Rudolf Schindler, Richard Neutra, Gerrit Rietveld, Bruno Taut, Gunnar Asplund, Oscar Niemeyer e Alvar Aalto são os principais arquitetos do movimento. Sua atuação revolucionou como formas arquitetônicas e tentativa conciliar industrialismo, sociedade e natureza na proposição de moradias coletivas e planos ideais para cidades inteiras. Nos anos 1960, a arquitetura moderna espalhou-se pelo mundo, perdendo algumas de suas características e tendo questionada sua vocação progressista.

Principais características

Apesar de ser um momento multifacetado da produção arquitetônica internacional, o modernismo manifestou alguns princípios que foram seguidos por inúmeros arquitetos, das mais variadas escolas e tendências e podem ser vistos em traços até hoje.

Uma das principais bandeiras dos modernos é a rejeição dos estilos históricos principalmente pelo que acreditavam ser a sua devoção ao ornamento.

Os modernos viam no ornamento, um elemento típico dos estilos históricos, um inimigo a ser combatido: produzir uma arquitetura sem ornamentos tornou-se uma bandeira para alguns. Junto com as vanguardas artísticas das décadas de 1910 e 20 havia como objetivo comum a criação de espaços e objetos abstratos, geométricos e mínimos.

Outra característica importante eram as ideias de industrialização, economia e a descoberta-descoberta noção do design. Acreditava-se que o arquiteto era um profissional responsável pela correta e socialmente justa construção do ambiente habitado pelo homem, carregando um fardo pesado. Os edificios edificios edificios ser reduzidos, limpos, úteis.

Duas máximas se transformam como grandes representantes do modernismo:  menos é mais  (frase cunhada pelo arquiteto Mies Van der Rohe) e  a forma segue a função  (“a forma segue a função”, do arquiteto protomoderno Louis Sullivan, também traduzida como  forma é função ). Estas frases, vistas como a sintética do ideário moderno, transforma-se também a sua caricatura.

Podemos ver nos dias de hoje todo esse estilo, o projeto do arquiteto Aquiles Nicolas Kilaris e da designer de interiores Iara Kilaris prevê um lavabo com salão, com estilo abstrato e moderno.

Esse projeto utiliza o conceito de um ambiente útil, moderno e objetos aplicados.

O projeto da Claudia Pimenta e Patrícia Franco prevê essa linda casa com pé direito duplo moderna.

Origens

É possível traçar três principais linhas evolutivas nas quais pode-se encontrar a gênese da arquitetura moderna. O que une as três linhas é o fato de que elas terminam naquilo que é chamado de  movimento moderno na arquitetura , considerado o  clímax  de uma trajetória histórica que desembocou na arquitetura realizada na maior parte do século XX. 

A primeira dessas origens é a que leva em consideração que o ideário arquitetônico moderno está absolutamente ligado ao projeto da modernidade, e, em particular, à visão do mundo iluminista. Segundo esta interpretação, o problema estético aqui é secundário: o moderno tem muito mais a ver com uma causa social que com uma causa estética.

A segunda linha leva em consideração como mudanças que deram nos diversos momentos do século XIX em relação à definição e teorização da arte e de seu papel na sociedade. Esta interpretação dá destaque ao movimento Arts &rafts e à Art nouveau de uma forma geral, considerada visões de mundo que, ainda que presas às formas e conceitos do passado, de alguma forma propunham novos caminhos para a estética do futuro.

Uma linha terceira, normalmente a mais comumente entendida como sendo a base do modernismo, é a que afirma que a arquitetura moderna surge justamente com a gênese do movimento moderno, sendo as interpretações anteriores apenas consequências desta forma de pensamento. A arquitetura moderna surge, portanto, com as profundas transformações estéticas propostas pelas vanguardas artísticas das décadas de 10 e 20, em especial o Cubismo, o Abstracionismo (com destaque aos estudos realizados pela Bauhaus, pelo De Stijl e pela vanguarda russa) e o Construtivismo.

Arquitetura de aço e vidro

O forte crescimento demográfico da Europa no século XIX deu origem a grandes transformações urbanas. O rápido e crescente processo de industrialização das cidades europeias resultou no deslocamento populacional para as grandes cidades, inchando-as rapidamente, diminuindo a qualidade de vida e aumentando o preço dos terrenos. Esta pressão populacional resultou no aumento das cidades em direção à sua periferia, mas também no aumento da densidade próximo do centro. Esta maior densidade no  núcleo  das cidades transformou-se na  verticalização  dos prédios.

Novas técnicas de engenharia do século XIX permitem o aumento do número de andares dos edifícios. Este fenômeno esteve ligado principalmente ao desenvolvimento de novas técnicas de utilização do ferro. Os exemplos mais marcantes do século XIX são as grandes estações de trens parisienses, retratadas pelos pintores impressionistas (notadamente Monet). A tecnologia mesma era aplicada nas residências. Outro material fruto do processo de industrialização e agora produzido em larga escala foi o vidro.

O ferro aliado às novas técnicas de engenharia produzindo sistemas em treliça níveis e resistentes, criar estruturas cada vez maiores e mais ousadas, como longas pontes com grandes vãos-livres (espaços entre os pontos de apoio, ou pilares) e grandes cúpulas. Outra vantagem proporcionada pela tecnologia do ferro foi a agilidade no processo da montagem. Outras obras que se destacam são: o Palácio de Cristal em Londres, a Torre Eiffel e, em Portugal, a ponte Dom Luís, no Porto, o Elevador de S. Justa em Lisboa e o Mercado 24 de Julho ou Mercado da Ribeira em Lisboa situado na Avenida 24 de julho.

Observem essas lindas casas do Estúdio “Castro Arquitetos” utilizando todas as técnicas de engenharia do século XIX: estruturas cada vez maiores e ousadas, com ferro e vidro, muito utilizado nos dias atuais.

Referências

 

Inscreva-se para receber as últimas notícias

 

    ASSINE NOSSA NEWSLETTER

    E fique por dentro do mercado imobiliário